Continente Online: A Salvação dos Estudantes Universitários

25 novembro 2016

A única altura em que fico frustrada por não ter carta de condução é quando é tempo de ir fazer as compras do mês. Sobretudo quando é Inverno. E está a chover. Portanto isto costuma dar-me uma vez por mês, mais coisa menos coisa.

Não sei se sabem, mas aqui em Évora temos imensos supermercados. Isto é fantástico, não fossem todos longe. Só para terem uma noção o mais perto de onde moro (e da escola de Enfermagem) fica a oitocentos metros. Que tenho de fazer, carregada que nem um camelo, até casa. Com as compras do mês. É tudo muito bonito, poupo dinheiro no ginásio e não sei quê, mas é pouco prático.

Nunca vou às compras sozinha. Normalmente vou com a Bia de Aveiro (digo assim porque ainda há a Bia do Montijo) e, sempre que posso, persuado o Mário. Numa das últimas vezes que fomos às compras, quase que desistimos a meio do caminho e chamamos um táxi porque já ninguém aguentava dos braços, pernas e costas. Trazer detergentes, águas, sumos e tudo o resto ainda pesa. Numa de frustração a Bia solta um "para a próxima fazemos as compras online" e eu viro-me para ela, de olhos muito esbugalhados, a bracejar (ou a tentar, vá) porque foi - de facto - uma boa ideia.


E aqui estamos nós. O tempo hoje está miserável (cheguei à escola a parecer um pinto molhado), o mês está quase no fim e a comida vai ficando escassa e eu continuo sem carro (e carta de condução).

O único supermercado que sabemos que faz isto é o Continente, por isso foi para aí que nos virámos. Ficámos muito contentes quando descobrimos que fazem entregas aqui em Évora, porque até há pouco tempo entregavam só em alguns pontos do País. Criei uma conta para associar o cartão e vá de percorrer todos os corredores (nem que sejam virtuais) e encher o carrinho.


Isto de encomendar online tem as suas vantagens: não gasto tanto dinheiro porque tenho acesso logo directo a todas as campanhas e descontos (este fim-de-semana está a decorrer a Black Friday também, logo ainda mais barato me vai ficar!) e acabo também por não comprar coisas que não preciso, poupo as costas (as minhas e as do Mário), não me arrisco a ficar doente só de ir ao supermercado e ainda me trazem as coisas a casa. Não sei quanto a vocês mas eu cá estou muito contentinha com isso! Daqui a uns dias recebo cá em casa as minhas gomas, os meus chocolates e as minhas batatas fritas. Ah! E as coisas saudáveis que isto não pode ser só asneiras. E com desconto!

9 comentários

  1. Já aderi ao continente online a algum tempo mas a mim acaba por não me compensar visto que moro bem pertinho mas é óptimo para quem precisa! :p

    Beijocas,
    ANDA DAÍ!

    ResponderEliminar
  2. São de facto boas iniciativas e muito práticas em vários momentos ou dias das nossas vidas...

    ResponderEliminar
  3. adorei ahaha
    por acaso eu não tenho esse problema porque tenho um pingo doce mesmo ao lado de casa mas, mesmo assim, fico imensas vezes sem cereais, leite, agua em casa por causa da preguiça ahah
    beijinhos

    umacolherdearroz.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Não fazia ideia que faziam isso, tenho de experimentas, às vezes dá imenso jeito! kiss^^

    Patsilvarte

    ResponderEliminar
  5. ahah vida de um universitário ahah, como te compreendo mas somos os mais desenrascados, arranjamos solução para tudo ahah
    beijinhos
    http://girlygirlsthinkpink.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Olá Aninhaa! Olha eu lá na Bélgica demorei um pouco a aderir a essa pratica, porque aquilo parece o fim do mundo e estas novas coisas não existem kkk mas qnd aderi, nunca mais quis outra coisa ✌��️ Aposto que te vais viciar ❤️�� Come uns chocolates por mim ��

    ResponderEliminar
  7. Adorei a história, Ana! XD
    Lá em casa mandamos sempre vir o Continente online há já uns anos e eu adoro! É um descanso e uma facilidade que valem bem o dinheiro gasto na entrega. Não dispenso para as compras do mês. Ah, já para não falar da vantagem dos descontos em cartão, etc. :D

    Joan of July

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017