7 Coisas Que Aprendi No Primeiro Ano Fora de Casa

Às vezes estamos tão absortos na nossa vida que juramos a pés juntos que nunca fazemos nada dela. Que não aprendemos nada de novo. Que burros velhos não aprendem truques. No entanto se tirarmos um bocadinho para pensar na nossa vida no último ano - ou dez meses, para mim - vemos que a realidade é bem diferente! Estamos sempre tão focados no negativo e no mais-ou-menos que nos esquecemos do bom.

Ir para a Faculdade nem sempre significa sair de casa dos pais, mas no meu caso significou. Foi um ano intenso, para não dizer caótico (ou quase épico!) e estou a ter um bocadinho de dificuldades na adaptação do "não tenho tempo para nada" para o "tenho demasiado tempo para tudo" (mas isso é assunto para outra publicação). Apesar de ter sido um ano assim sinto que cresci. E que aprendi para caraças. E que, sobretudo, me tornei mais Ana. 

FAZER ARROZ
Confrontada com o facto de ou aprendo a comer arroz ou então só o como daqui a dez meses quando voltar a casa (ou quando alguém num acesso de boa vontade o fizer para mim) tive de jogar as mãos à massa e aprender a fazer arroz. As primeiras tentativas foram vergonhosas, mas agora já lhe apanhei o jeito...até quando me esqueço de pôr sal.

ACENDER UM ISQUEIRO
Eu sou uma mariquinhas. Tudo o que tenha a ver com fogo assusta-me e levei anos até acender um fósforo e não me afastar dele o mais possível. Isqueiros então era para esquecer. Até ao dia em que fiquei sem fósforos em casa. E tudo o que a vizinha tinha para me emprestar era um isqueiro. Que eu não sabia acender. Porque tinha medo. Foi a última vez que jantei cereais. Depois disso o Mário obrigou-me a aprender a acender isqueiros.

ABRIR UM TRINCO COM UM CABO DE ESFREGONA
Quando vais ao quintal apanhar um limão para fazer um chá e a porta se fecha atrás de ti com as chaves em cima da mesa da cozinha...e estavas sozinha em casa. Não foi o meu momento mais iluminado mas, em minha defesa, o limoeiro estava em frente à porta.
Esta situação ensinou-me imensas coisas como: meter sempre o balde com a esfregona à porta (do lado de fora) e a ter uma janela sempre destrancada.
Imaginem a cena: tirar a protecção de mosquitos da janela, abrir a janela, desenroscar o cabo da esfregona e metê-lo por entre o gradeamento da janela e fazer contorcionismo para que o buraco no topo do cabo da esfregona encaixe com o trinco da porta de forma a o abrir.
Ana MacGyver, prazer.
 
SAL, AZEITE E ALHO EM PÓ...
...são na verdade os únicos temperos que precisam. Sobretudo se são como eu e não gostam de pimenta. Vá, podem também meter orégãos e outras ervas aromáticas se acharem que faz falta.
 
LIDAR COM FEITIOS DIFERENTES
De um momento para o outro o círculo onde tu te inseres passa daquelas três pessoas que conheces há uma vida para oitenta pessoas com as quais vais passar imenso tempo (às vezes doze horas por dia, todos os dias, durante meses). Isso é, na melhor das hipóteses, um bocadinho complicado. É inevitável aprenderes como lidar com pessoas de feitios diferentes do teu mas, a coisa boa, é que vai encontrar, de certeza, pessoas cujos seus defeitos e qualidades vão jogar de forma perfeita com os teus!

SABER SAIR DE UMA SITUAÇÃO QUE NÃO ME DEIXA CONFORTÁVEL
Se há uns anos eu me deixaria ficar em situações meio desconfortáveis para mim este ano não fiz nada disso. Passei por algumas - uma bem...chocante, por assim dizer - e peguei em mim e nas minhas coisas (salvo seja) e saí dessas situações. Não vou dizer que é fácil, porque não é, mas no fim vale a pena. Mesmo que nos custe horrores no início.

NUNCA ESTAMOS VERDADEIRAMENTE SOZINHOS
Por mais que pensemos que estamos sozinhos...não estamos. Temos sempre uma rede de apoio: sejam os amigos (da faculdade e os de sempre), os pais ou o namorado. Há sempre alguém disponível a partilhar as nossas dores connosco e a ajudar a carregar os nossos problemas. E isso é do caraças.

E vocês? O que aprenderam nos últimos tempos?

14 comentários:

  1. Adorei e identifiquei-me completamente! Évora ensinou-me a ser mais ''desenrascada'' :) um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Oh pá! Aquelas pequeninas coisas que parecem mesmo insignificantes são as que fazem mais diferença no dia-a-dia - arroz incluído! :p Vamos crescendo, menina :D Vais chegar ao fim da faculdade toda Ana-A-Desenrascada :p

    ResponderEliminar
  3. Admito que, depois de mais de um ano fora de casa, o arroz continua a ser o meu calcanhar de aquiles. Faço mas tenho noção que muitas vezes podia ficar muito melhor. Só (Muito) De vez em quando, lá sai um mesmo bom..

    ResponderEliminar
  4. Eu passei 3 anos sem fazer arroz. Aliás, fiz uma, para mim e para uma afilhada... e segundo ela sabia a pipoca. Sobrevivi com massa - e há massa de tantos feitios! Foram os 3 anos mais desafiantes da minha vida, os melhores também, aprendi muita coisa, algumas enumeraste-as. Já tenho saudades!

    ResponderEliminar
  5. Também saí de casa este ano e de facto sair faz-nos crescer imenso! Agora que voltei para casa já me faz confusão estar com tanta gente XD Ainda bem que tiveste uma boa experiência! kiss^^

    http://somerandomthoughtsandthings.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O arroz nem me foi assim tão difícil fazer, o problema mesmo é não deixar as coisas colarem ao tacho XD quer seja massa ou arroz!

      Eliminar
  6. Subscrevo grande parte das coisas! O meu arroz agora é do caraças, ahah. Eu também estudei noutra cidade e sem dúvida que é preciso crescer e saber como lidar com as coisas de outra forma.

    Lena's Petals xx

    ResponderEliminar
  7. Eu estou a viver sozinha desde Maio e também já aprendi algumas coisas como por exemplo comprar apenas a comida essencial para meia dúzia de dias e sabendo que não a vou deixar estragar.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderEliminar
  8. epá, discordo plenamente do sal , azeite e alho ahah. Paprika, caril, pimentão doce, pimenta <3

    ResponderEliminar
  9. olha, apesar de ainda viver em casa, também aprendi a ligar um isqueiro, que sempre tive medo xD o problema é que ainda tenho medo de fósforos :/
    beijinhos, Noelle :) http://supergirlinconverse.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. A saga do arroz, como te compreendo! Concordo a 100% com os temperos ahah
    Quanto a nunca estarmos sozinhos, é mesmo verdade. Foi o que eu notei assim que cheguei à universidade :)

    ResponderEliminar
  11. Identifico-me perfeitamente contigo ... exceto pelo facto de já fazer arroz antes de ir para a universidade ;D Vivo há 2 anos no sítio onde estudo e adoro! Beijinho*

    www.littleoneoblog.wordpress.com

    ResponderEliminar
  12. Adorei, deu-me um grande impulso. Aprendi que tenho que gostar mais de mim, porque também sou uma Ana que vale a pena! :)
    PS.- Adorei o acender do isqueiro... haha.

    Um beijinho
    Ana C, www.adreamersland.com
    www.facebook.com/adreamersland

    ResponderEliminar
  13. Sair da casa dos pais ( o que não foi o meu caso) devem nos por à prova em coisas pequena - essa de abrir o trinco com o cabo da esfregona tá demais x)

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017