OFF TOPIC | 8 Jane Austen Lessons for the XXI Century Person

19 junho 2015

Estão fartos de saber que a Jane Austen é a minha girl crush literária. Não há mesmo volta a dar.
A Jane (Austen) era uma revolucionária no seu tempo e uma badass de espírito ao provar que livros escritos por mulheres sobre mulheres podem revelar verdades, podem desafiar e destituir qualquer leitor.
E digam-me lá se há algo mais revolucionário que, em pleno século XVIII, uma mulher afirmar que outras mulheres são (gasp!) seres humanos tão complexos e interessantes como os homens? Eu cá acho que não.

Assim à primeira vista pode ser complicado tirar lições válidas nos dias de hoje de livros escritos no século XVIII, mas na verdade só temos de olhar para os seus personagens. Austen escreveu personagens racionais, independentes que agiam como podiam tendo em conta as expectativas da sociedade e que faziam o melhor que conseguiam dentro dos seus limites (sobretudo as personagens femininas).

Dai nasceu esta lista de oito lições que podemos usar em pleno século XXI directamente tiradas de livros da Jane Austen.
A Jane era uma autêntica rockstar. Mas vocês já sabiam isso, claro.

1. NÃO PODES JULGAR AS OUTRAS PESSOAS PELAS SUAS ESCOLHAS


No Orgulho e Preconceito, a Elizabeth Bennet fica indignadíssima quando a sua amiga Charlotte Lucas aceita a proposta de casamento do famoso (e ridículo) Mr. Collins. Tendo jurado só casar por amor, Elizabeth lamenta que a sua amiga tenha escolhido um casamento de conveniência - e julga-a severamente pela sua decisão. Mas o que temos de ver é que Charlotte é uma alma prática; ao contrário da bonita e espirituosa Elizabeth, ela não tem outras perspectivas de casamento (e naquela altura isso era muito mau) por isso ela decide que uma vida como Mrs. Collins não é assim tão má e acaba por ser a escolha certa para ela.
Ao ver a forma como Charlotte faz uma vida feliz para si mesma sob o mesmo tecto do (cada vez mais absurdo) Mr. Collins, Elizabeth é obrigada a entender que ela nem sempre sabe o que é melhor - e que ela não tem o direito de julgar ninguém pelas suas escolhas.

2. NUNCA ACEITES MENOS DO QUE MERECES


Apesar do espólio do seu pai estar vinculado ao Mr. Collins, fazendo com que Elizabeth e as suas irmãs fiquem sem um tostão após a sua morte, ela (Elizabeth) está determinada em escolher com quem quer casar - e faz questão de casar por amor.
Quando o (muito) rico mas não-tão-gracioso Mr. Darcy se declara a ela, Elizabeth fica irritada com as suas palavras: Mr. Darcy diz-lhe que apesar da sua educação pouco refinada e de ligações familiares embaraçosas, ele ama-a against his better judgement.
Elizabeth fica chateada (justamente) e acaba por lhe dizer que ninguém, nem mesmo o proprietário de Pemberly tem autorização para a fazer sentir-se inferior e que ela como qualquer outra pessoa merece estar com alguém que a respeite a ela e de onde ela vem.
Apesar de ser uma situação diferente da de Charlotte, ambas as escolhas acabam por reflectir quem elas são e o que elas acreditam que as vai tornar felizes.

3. A TUA FELICIDADE ESTÁ NAS TUAS MÃOS


Quando a Lady Catherine de Bourgh, a tia controladora de Mr. Darcy, entra de rompante na casa dos Bennets para exigir que Elizabeth recuse a proposta de casamento de Darcy - visto que, supostamente, os Bennets não estão no mesmo nível que os habitantes de Pemberley - a Elizabeth não deixa que a figura ilustre lhe fale daquela forma dizendo-lhe que só está a agir de forma a construir a sua própria felicidade.
Elizabeth atinge com isto um acordo importante: a sua felicidade em primeiro lugar, mesmo quando alguém lhe tenta dizer que não deve ser assim.

4. CONFIANÇA, CONFIANÇA, CONFIANÇA


De todas as personagens de Austen, a Emma Woodhouse é capaz de ser aquela que é mais independente - ela é, essencialmente, a chefe do seu agregado familiar, e escolhe abrir mão do casamento porque já tem uma boa posição na sociedade. Emma tem um temperamento forte, confiante e independente e não deixou que o seu género interferisse com a sua posição como boa líder em Higbury.
É tudo uma questão de termos confiança em nós próprios (independentemente da nossa situação) e não deixar que nos diminuam.

5. ACEITA QUE ÉS UM CONSTANTE TRABALHO EM PROCESSO...E NÃO FAZ MAL!


Mas, a nossa amiga Emma é também uma pequena tirana. Egoísta, de temperamento forte, mas bem-intencionada, ela é uma heroína fascinantemente complexa. Quando ela tenta encontrar um marido para a sua amiga Harriet, Emma falha miseravelmente e fere os sentimentos de Harriet profundamente. Apesar do seu excesso de confiança, Emma não sabe o que é o melhor na grande parte das vezes - mas isso não significa que ela deixe de acreditar em sim mesma. Emma acaba por aceitar e corrigir os seus erros para que possa fazer o melhor pela sua amiga.

6. HÁ UM LUGAR ESPECIAL NO INFERNO...


...para mulheres que traem outras mulheres. Catherine Morland - de Northanger Abbey - faz amizade com Isabella Thorpe e confia nela o que a impede de ver que Isabella é, na verdade, uma manipuladora que só se interessa por Catherine pelas relações desta com pessoas de estatuto (basicamente está só à espera de casar com quem tiver mais dinheiro). A Catherine fica magoada e intrigada quando vê as verdadeiras cores de Isabella, mas ela é forte o suficiente para cortar os laços com uma pessoa que a estava a usar pelas suas próprias razões egoístas.

7. É PRECISO MUITA CORAGEM PARA ENFRENTARMOS AS PESSOAS QUE AMAMOS, MAS É UM ERRO SE NÃO O FIZERMOS


Em Persuasão, Anne Elliot (de apenas dezanove anos) quebra sob a pressão da sua posição social e acaba por cancelar o seu noivado com o jovem oficial da marinha Frederick Wentworth. Quando ela o encontram mais tarde na sua vida, ela percebe que os sentimentos que nutria por ele não desapareceram.
Embora ela tenha tido as suas razões para não casar com Wentworth, Anne comprou uma vida de infelicidade ao pôr as expectativas da sua família que ela tinha de casar bem acima das suas próprias necessidades e felicidade em primeiro lugar.
Aos vinte e seis anos, Anne deixa de aceitar um destino que ela não escolheu e casa-se, finalmente, com o amor da sua vida.

8. MESMO QUE AS PROBABILIDADES ESTEJAM CONTRA NÓS, SEGUIR O NOSSO CORAÇÃO É IMPERATIVO


Fanny Price (de Mansfield Park) é criada pelos seus familiares ricos - os Bertrams. Apesar de ela ter recebido a mesma educação e lhe serem concedidos alguns dos privilégios, os seus tios nunca a deixam esquecer que ela não está no mesmo nível que eles.
No entanto a Fanny torna-se na alegria e no orgulho do seu tio quando recebe uma proposta de casamento do elegante e rico Henry Crawford.
Mas, embora Fanny tenha pouco poder para exercer, ela recusa-se a vergar à vontade do seu tio e não aceita o casamento de conveniência com um homem em quem não confia.
Apegada às suas convicções, Fanny resiste à raiva e ressentimento do seu tio e no fim acaba por encontrar o seu final feliz.

10 comentários

  1. A Jane Austen é a crush de toda a gente I mean ela escreve de uma forma brilhante! Ainda só li o Orgulho e Preconceito e o Sensibilidade e Bom Senso (eu sei, tão poucos!) mas são os dois tão brilhantes e com histórias tão bonitas!

    ResponderEliminar
  2. Estão deliciada com todos estes conselhos! Sinceramente, um dos melhores posts dos últimos tempos. Um post inspirador e tão verdadeiro!

    ResponderEliminar
  3. Ai Ana, agora é que acertaste! Jane Austen é uma das minhas autoras prediletas. Eu tenho um soft spot para esta autora. I love her, most ardently. Jane Austen deixa-nos com o balanço perfeito entre o sonho e a realidade. Deixa-nos a sonhar com um Mr. Darcy, mas conscientes de que ele não aparece do nada, que temos de ser fortes e perseverantes. E estas tuas lições foram mesmo no ponto! Adorei, adorei, adorei.

    ResponderEliminar
  4. Sabes como adoro este tipo de posts e um sobre a Jane Austen é só perfeito!
    Confesso que a minha dica favorita é a #6. Faz lembrar alguém que conhecemos. ;)

    Joan of July
    Bloggers Camp 2015

    ResponderEliminar
  5. E que publicação tão incrível e fantástica! Precisava de ler coisas assim hoje. Obrigada por isso! (:

    ResponderEliminar
  6. Sou uma desgraçada e nunca li Jane Austen. I know, judge me. Mas está na minha lista de próximos livros a comprar e a ler. Só tenho de despachar os que andam cá por casa. (:

    Lena's Petals xx

    ResponderEliminar
  7. Ainda não surgiu oportunidade de ler Jane Austen, mas garanto que este post só aumentou a minha vontade! A ver se este verão já trato disso ;)

    ResponderEliminar
  8. Já li todos os livros. Adoro-a. Era, sem dúvida, uma rebelde com causa. Já disse lá pelo blog que gostava que a Fanny não fosse tão submissa...mas acaba por ter o que sempre desejou :)

    http://isamirtilo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Nunca li nada desta autora, mas pelo que vejo, e como amante de livros, parece-me que tenho mesmo de tratar de ler um! Algum conselho?

    Estou a seguir o blog :)
    xoxo, Mia
    itsmialeaveamessage.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. Melhor post da vida, já li 3x ai Jane Jane

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017