OFF TOPIC | The F-Word

03 março 2015

Feminismo.

"Pára tudo que ela é uma frustrada e nenhum homem lhe pega e por isso é que anda com estas ideias pós-modernas de ser feminista".
Só que isto não podia estar mais longe da realidade e do que é, de facto, ser feminista. Actualmente essa posição social é um tabu e um sinónimo de que odiamos os homens. E isso não é verdade.

O que é verdade é que em todos os movimentos - mas é que são em todos mesmo - existe um grupo que segue esses ideais que defende os extremos. E normalmente é por esse pequeno grupo que o movimento fica conhecido. E deve ser por isso mesmo que de todas as vezes que perguntei a amigos meus (homens) o que era para eles uma feminista todos me dizem que é uma mulher que odeia os homens e nenhum me soube explicar a essência daquilo que é o feminismo ao nível mais básico: a igualdade. Em todos os aspectos.

Sou apologista de que se é para se discutir a igualdade então a mesma deve ser aplicada. Se o João da Contabilidade ganha dois mil euros por mês porque é que raio que a Rita - também da contabilidade e com as mesmas funções do João - tem de ganhar vinte porcento menos? Se o Rui trabalha nas obras e o Joaquim é camionista porque é que a Vera e a Filipa não podem também trabalhar nas obras e conduzir camiões? Chega de tretas como "isso é trabalho para homens" que as mulheres já provaram vezes sem conta que conseguem fazer um bom trabalho a tudo o que se propuserem.
Se me dizerem que isso são trabalhos cujos homens - que têm uma força bruta muito superior às mulheres e isso é um facto - têm mais facilidade em fazer eu aceito o argumento. Mas se vierem com a treta de que os homens são superiores às mulheres então ai temos o caldo entornado.

Da mesma forma que se me disserem que os homens são melhores para cargos de chefia e autoridade que as mulheres vou responder que o levantar de sobrancelha da minha mãe - vocês sabem qual é que a vossa mãe deve fazer o mesmo - mete tanto respeito como o levantar da sobrancelha do meu pai. Ser mulher não é sinónimo de não termos autoridade. Muito menos de não conseguirmos manter o respeito.
Se as mulheres têm uns quantos meses de baixa por causa da licença de maternidade então os homens também deviam ter esse direito e assim não ter que escolher entre pai e mãe para só um ficar em casa. Isto da igualdade tem de funcionar para os dois lados.

Seria de pensar que os comentários machistas e misóginos estariam reservados a homens mais velhos e de gerações mais antigas que foram criados a pensar que os homens eram superior às mulheres. Mas o que é assustador é que cada vez mais rapazes e homens de quinze, vinte e trinta anos pensam que o seu género é a melhor coisinha que existe desde da invenção da roda.
Mais do que uma vez ouvi o argumento de "os homens inventaram o rádio, a internet, a lâmpada, a industrialização do Mundo e tudo e tudo" dito com orgulho como se o tipo que o disse tivesse sido o inventor dessas coisas todas. E é aqui que eu tenho um momento "let me Google that for you" e meto o nome da pessoa no motor de pesquisa seguido de invenções. E depois pesquiso por mulheres que deram o seu contributo para a Ciência (Marie Curie que foi pioneira no campo da radioactividade), tecnologia (Ada Lovelace que criou o primeiro algoritmo a ser lido por um computador), matemática (Florence Nightingale David que computou soluções para equações integrais complexas), artes (Adélaïde Labille-Guiard uma pintora de retratos - maravilhosos por sinal - do século XIX). A lista é extensa, acreditem. E ainda assim argumentam que isso são quatro exemplos de mulheres em mil de homens. E é nesta altura que me apetece partir à chapada com a pessoa por ser tão tacanha e se esquecer do pequeno facto que na altura em que aos homens tudo lhes era dado de mão beijada as mulheres que se atrevessem a pensar fora da caixa e das convenções da sociedade teriam graves problemas. Mas isto são outros quinhentos.

Também já me disseram que o lugar da mulher é na cozinha. E que só estamos bem é a lavar a loiça (que deixo bem claro aqui que é das tarefas domésticas que mais detesto mas que a faço porque tu tornas-te eternamente responsável pela loiça que sujas). E que "tudo o que as mulheres conquistaram até hoje foi com o aval dos homens e onde eles não quiseram deixar as mulheres chegar e conquistar algo, elas ainda não conquistaram". Já ouvi de tudo e vindo de bocas de homens de várias idades.

Para mim o problema maior é a falta de educação. Eu não fui educada de forma a pensar que os homens são melhores que as mulheres. Nem que as mulheres são melhores que os homens. A mim educaram-me para pensar que somos, de facto, todos iguais. E isso serve para todos os aspectos: trabalhos, igualdade salarial, direito de voto, direito de vestir o que me apetece quando bem me apetece e não ter que ouvir comentários sobre o facto de estar a mostrar as pernas ou os ombros.
Se educarmos os nosso rapazes a pensar que as mulheres só existem para os servir e que tudo o que sai da boca delas é para ser ignorado o mais certo é que eles, quando crescerem, serem o género de homem que diz barbaridades como as que já escrevi em cima. Se educarmos as nossas raparigas a pensar que são princesas e que precisam de um homem para serem completamente felizes e que são indefesas sem eles então elas vão crescer e não vão valorizar aquilo que as faz únicas. Nem se vão valorizar a elas mesmas e só se sentirão felizes quando ouvirem palavras aprovadoras vindas da boca de um homem.

Foi precisamente por me terem educado a pensar que mulheres e homens são iguais (e poupem-me os argumentos biológicos que se quiserem ir por ai vamos e arrumo-vos) e que nenhum género é melhor que o outro que eu cresci a saber que sou uma princesa. Mas que não sou indefesa. Que sei cozinhar e fazer as lides domésticas que são consideradas coisas de mulher assim como usar um berbequim, mudar um pneu de um carro (isto é verídico) e fazer trabalhos de bricolagem que são considerados coisas de homem. E se for preciso faço isto tudo de vestido. Ou de calças de ganga. Ou com o que bem me apetecer.

Eu não odeio os homens. Abomino pessoas parvas, estúpidas e ignorantes que destilam ódios e ficaram presas no século dezoito - homens ou mulheres.

Acho que está na altura de deixarmos de tratar a palavra feminismo (ou feminista) como se fosse um palavrão.





 
Podem encontrar-me também aqui:

15 comentários

  1. Nem mais Ana! Esta discussão dava pano para mangas, mas acho que conseguiste resumir tudo ao essencial: é tudo uma questão de educação e de como as coisas e as atitudes são percepcionadas, defendidas e interiorizadas. A verdade é que somos todos iguais. Com maior ou menor dificuldade conseguimos fazer os que o outro género faz. Por isso para quê dizer o contrário? :) *

    ResponderEliminar
  2. Yeaahhh! Grande post *aplausos* A educação tem mesmo muito que se lhe diga! Estou farta de ouvir relatos sobre mulheres que foram violadas e alguém comentar "estava a pedí-las"

    ResponderEliminar
  3. Não acrescento nem mais um ponto. É ISTO! Excelente texto, Ana, simples, sem presunções e directo à questão!

    ResponderEliminar
  4. Como sabes Ana, este é um tema que me diz muito.
    E ultimamente tenho escrito bastante sobre ele também e descobri que em tudo o que se diz sobre as mulheres e o feminismo, o que me deixa a ferver são mesmo os comentários de outras mulheres.
    Quando os homens dizem várias das coisas que enumeraste já quase não sinto nada senão indiferença e - honestamente - alguma superioridade de saber algo que eles não sabem: que somos, de facto iguais. Eles só repetem as ladaínhas em que foram criados a acreditar, sem recorrer minimamente à lógica e à intelectualidade.

    Agora, quando outras mulheres o dizem, tira-me do sério. Enoja-me que digam "as mulheres ao volante são umas cabras umas para as outras", por exemplo. Bullshit. Quase toda a gente é assim no trânsito, mas por alguma razão as mulheres decidem ficar ofendidas quando outras mulheres não as deixam passar e só memorizam quando o gesto vem de outras mulheres. E assim ajudam a perpectuar estereótipos que, inclusivé, ensinam aos seus filhos (homens).
    E assim se educam gerações e gerações de homens e mulheres que degridem outras mulheres. É triste, mas como já escrevi no meu blog, tenho a certeza absoluta de que este comportamento está a mudar com a nossa geração e sei que vamos ter tudo isto em conta a educar os nossos filhos.
    Eu sei que, se um dia tiver filhos, é isso que vou fazer e de forma muito consciente.

    Relativamente às invenções, por amor da santa... toda a gente sabe que só muito recentemente é que as mulheres começaram a ser incentivadas a trabalhar (só no séc. XX, imagine-se...) e a pensar por si próprias e isso explica muita coisa. O peso das normas e da sociedade é enorme e, nessa altura, ainda se sentia mais (pelo menos nesto contexto).

    Para terminar, fica a frase de uma intelectual feminista (cof cof) chamada Taylor Swift (sim, a sério):

    "There's a special place in hell for women who don't help other women."

    www.joanofjuly.com

    ResponderEliminar
  5. É sempre refrescante ver mais feministas na blogosfera e mulheres que não têm medo de chamar a atenção para atitudes sexistas/machistas e tudo o que envolve igualdade e cenas ;) ♥
    Nessiepresso xx

    ResponderEliminar
  6. Ora bem, aqui vai agora uma resposta de um homem que vai aproveitar para dizer o que pensa do feminismo, feminismo como tu o descreves que acredita na igualdade, é aquilo que eu acredito ser o feminismo e é essa para mim a verdadeira definição, o que eu não suporto e com certeza o que influenciou as varias resposta de homens que tiveste de que "as feministas odeiam os homens", é como dizes e bem as extremistas que se dizem feministas, sim dizem, porque acho que mulheres que digam ser superiores a todos os homens, e querem todos os privilegios e mais alguns por serem mulheres em vez de igualdade, não merecem ser chamadas de feministas.
    Em resumo acho que somos todos iguais, se há alguma disposição genética por exemplo em termos de força bruta provavelmente sim, mas daí também há homens muito fraquinhos e mulheres muito fortes, se fores ver no caso dos camiões das minas (sim aqueles gigantes) muitos são conduzidos por mulheres (pelo menos os vários documentarios que já vi sobre esse tipo de maquinaria assim o mostram).
    E mais uma vez quero realçar a palavra chave IGUALDADE.
    Ah e já agora, cá em casa também lavo a loiça, lavo o chao, roupa etc e não tenho nenhum problema com isso. :)

    ResponderEliminar
  7. Eu concordo que geralmente os movimentos ficam com mau nome por causa dos grupos extremos que levam as coisas à letra e acabam por dar má fama aos outros que só querem defender a sua posição. Mas de falar com pessoas que se intitulam de feministas já percebi que o que querem não é igualdade de todo. Querem ganhar o mesmo que o Manel que ganha x, mas ajudar o Manel a mudar os móveis da sala? "Ai não que isso é coisa de homem". Se é igualdade é para tudo, não é só para o que dá jeito ou apetece.

    ResponderEliminar
  8. Concordo plenamente, mas felizmente mesmo a forma como os movimentos é difundida está a mudar. Já conheces o HeForShe http://www.heforshe.org/ por exemplo

    ResponderEliminar
  9. Não podia concordar mais, com tudo o que foi dito no post e nos comentários. Uma mulher machista é algo que eu não tolero, ainda menos do que homens machistas. Para além disto, é mesmo importante de realçar que o nosso valor enquanto mulheres e indivíduos não se prende nada com o facto de termos namorado, o nosso valor está em nós, ponto, mas é que sendo mulher ou homem.

    oh-my-lover.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. Eu sou a favor da igualdade mas a palavra "feminismo" faz-me confusão pois parece que apenas serve para as mulheres. Eu sei que isto deve estar a parecer estúpido mas é verdade. Estive a ler há uns tempos sobre homens que também querem igualdade na questão da custódia dos filhos (geralmente as mães é que ficam com a guarda). Então esta situação também encaixa no movimento feminista? Ou um homem ser chamado maricas por chorar? Ou querer ser esteticista e ser gozado porque isso é trabalho para mulheres? Não quero atacar ninguém mas não consigo perceber como é que um movimento que defende a igualninguém tem géneros apenas fala no sexo feminino. Gostava sinceramente que alguém me esclarecesse sobre isto pois posso estar a dizer asneiras enormes, eu falo do que vejo mas posso perfeitamente estar errada.
    Repito: eu sou a favor da igualdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *defende a igualdade entre géneros.
      *Gostava sinceramente que alguém me esclarecesse sobre isto pois posso estar a dizer asneiras. Eu falo do que vejo, não tenho certezas de nada.

      IPad problems, peço desculpa pelas frases estranhas.

      Eliminar
    2. As diferenças entre sexo deixarão de existir quando a igualdade vier. Tal como a Mariana, procuro a igualdade mas faz-me confusão a palavra Feminista em si. Porque associa-se diretamente o conceito de igualdade à mulher, e, até, a própria palavra, parece rebaixar a mulher. A mulher não está sempre abaixo do homem na sociedade. Queremos igualdade, então paremos de dizer que somos umas coitadinhas que ganhamos sempre menos, que somos sempre mais maltratadas, que somos menos ou mais aquilo. Paremos as generalizações: é certo que há diferenças salariais entre mulheres e homens, é certo que há múltiplas coisas administrativas, burocráticas e sociais que colocam o homem a ser privilegiado. Mas também há muitas situações em que os homens não o são, como a Mariana falou e bem.
      Sou a favor da igualdade, mas lutarei da mesma maneira por todos. E não só pelas mulheres, mas por todos.

      Porque Feminismo significa, como bem disseste, igualdade entre sexos...mas colocando ênfase na mulher. Portanto, não consigo ser 100% feminista.

      Eliminar
  11. Só há aqui uma coisa que me custa a engolir.
    Falaste no direito dos homens (porque em certas coisas também nos ficam atrás) e se eu concordo por exemplo, que também devem vestir saias se quiseres por outro não concordo com aquilo que disseste da licença de maternidade. Isto porque a mulher acabou de ter o miúdo no ventre durante meses. Além do dia a dia teve que tratar das "dificuldades" que o corpo lhe dava e por ter passado por uma operação horas e horas a fio. Já o homem não... acho que podiam ter direito a estar com o filho mas não vamos comparar o facto de uma mãe ficar em casa com o pai também ter que ficar.
    De resto aplaudo de pé o teu discurso. :)
    Sorrisos,
    Alexandra :)

    The Sweetest Life
    http://thesweetest-life.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. olha merecias um aplauso, concordo em todos os aspetos! Há pessoas que pararam no tempo dos dinossauros... Faz-me urticária irraa

    ResponderEliminar
  13. *sigh* tenho medo de me repetir aqui quando tu no post tens um texto tão completo! quando falas de'' Seria de pensar que os comentários machistas e misóginos estariam reservados a homens mais velhos e de gerações mais antigas'' entristece-me e irrita-me quando esses comentários vem de mulheres, tanto velhas como novas. Essa falta de união é ainda um problema porque nos descredibiliza a nós e aquelas que trabalharam pra conseguir algum avanço nisto. enfim!

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017