PHOTOGRAPHY | DSLR 101: The Basics

02 fevereiro 2015

[ESTA PUBLICAÇÃO FOI ORIGINALMENTE PUBLICADA NA RUBRICA AD INFINITUM]
A quase um ano de celebrar o primeiro aniversário da Lola cá em casa, achei por bem repescar esta publicação que viu a luz do dia há uns meses pelas mãos da rubrica Ad Infinitum que tenho com a Carolina do LUCKY 13. Apesar da Lola ser a minha primeira DSLR (uma que posso dizer que é mesmo minha) ela não foi a primeira máquina do género que experimentei portanto quando a comprei não me senti atrapalhada com os infinitos menus, opções e definições que ela me oferecia.

Mas quando uma pessoa investe numa coisa destas meio que de olhos fechados pode apanhar um choque. Há muita informação e muitos detalhes que nos podem escapar porque estamos overwhelmed com tanta coisa. Foi por isso que decidi desenterrar esta publicação e criar uma série de posts cujo objectivo principal é falar sobre os básicos de fotografia - e mostrar-vos alguns truques também - para aquelas pessoas que se sentem mais perdidas e para aquelas que já se sentem mais à vontade com a máquina e os termos porque nunca é demais solidificar informação.

Nesta publicação: ISO, velocidade do obturador, distância focal, abertura do diafragma e focagem.

1. ISO
ISO mede a sensibilidade do sensor de imagem. Quanto maior o ISO, mais o sensor de imagem é sensível à luz, portanto a possibilidade e tirar fotografias em situações de baixa luz é maior. No entanto, quando maior o ISO mais ruído vai aparecer na fotografia e menor será a nitidez da imagem.

ISO disponível em quase todas as máquinas varia entre 100 e 3200 ISO, sendo o ISO seguinte o dobro do primeiro (100, 200, 400, 800, 1600, 3200 ISO).

Em sentido prático...

2. VELOCIDADE DO OBTURADOR
velocidade do obturador, em fotografia, está directamente relacionada com a quantidade de tempo que o obturador da câmera fotográfica leva para abrir e fechar, deixando passar a luz que irá sensibilizar o sensor digital a formar a imagem.

Por exemplo: se deixarmos a máquina receber luz durante 10 segundos, a fotografia só vai ficar estática e bem definida se nada no cenário em que estamos a fotografar se movimentar durante esse tempo (e isso vale para as nossas mãos a tremer também!)

Quanto menor o tempo de exposição, menos luz é absorvida no interior da máquina, maior a abertura do diafragma necessária para se obter uma exposição correcta.
O tempo de exposição é normalmente dado no formato 1/x, em que X representa uma fracção de tempo em segundos. Alguns valores comuns são: 1/15, 1/30, 1/125, 1/640, 1/1000, 1/3200.

Em sentido prático...

3. DISTÂNCIA FOCAL
distância focal de uma objectiva é muito importante na composição fotográfica visto que esta determina a área de uma cena que a câmara pode ver quando se olha para o visor ao tirar uma fotografia.

Em todas as objectivas, existe um número que indica a distância focal. Um número baixo, sempre medido em mm, indica uma lente com distância focal curta. As lentes que encaixam neste critério são as chamadas grandes angulares e são ideais para paisagens, panoramas, arquitectura e grandes grupos de pessoas.
Já as lentes com grande distância focal são conhecidas como teleobjectivas. Estas são óptimas para quando se quer ver um tema, como um pássaro por exemplo, com a maior ampliação possível mas não nos podemos aproximar.

Resumindo por miúdos: quando maior a distância focal, mais a lente aproxima o assunto.

Em sentido prático...

4. ABERTURA DO DIAFRAGMA
abertura do diafragma é um dos factores mais importantes na fotografia. Afecta não só a exposição como também influencia a nitidez de uma imagem.

abertura é o diâmetro do diafragma situado no interior da objectiva. Quando maior for, mais quantidade de luz chegará à superfície do sensor, num tempo determinado.

As diferentes aberturas são conhecidas como f/ponto ou f/números que são dispostos numa série numérica, cuja sequência padrão é: f/1.4, f/2, f/2.8, f/4, f/5.6, f/8, f/11, f/16, f/22 e f/32.
Nesta escala, cada número possui uma abertura de diferente tamanho, sendo que à medida que passamos de um número para o próximo, significa que estamos a dobrar ou diminuir pela metade a quantidade de luz que alcança o sensor.

Em sentido prático...

5. FOCAGEM
Muito do sucesso das imagens depende se estão bem ou mal focadas. A sua composição e outros elementos de criatividade terão pouco impacto se as partes principais da imagem não forem bem focadas. Em muitas câmaras a focagem é feita automaticamente, mas o modo manual é bastante útil para encontrar a melhor focagem possível - e eu admito: prefiro fotografar e focar em manual.

FOCAGEM AUTOMÁTICA OU AF
Todas as câmeras vêm com focagem automática e têm um funcionamento parecido ao do olho humano fazendo o foco do motivo principal que está a ser fotografado automaticamente.

A focagem é feita quando se carrega no botão do obturador até meio.

Por vezes temos motivos em dois planos diferentes o que torna a focagem difícil. A câmera pode fazer a leitura do primeiro plano ou do segundo erradamente. Para resolver este problema existem pontos AF seleccionáveis que nos ajudam a focar o motivo correcto.

a) ONE SHOT AF
Para motivos parados. Se carregarmos no botão do obturador até meio a câmera foca apenas uma vez.

b) AI SERVO AF
Este modo destina-se para motivos em movimento, nas situações em que a distância focal muda constantemente. Enquanto carregarmos no botão do obturador até meio, o motivo fica bloqueado continuamente.

c) AI FOCUS AF
Se o motivo em movimento começar a mover-se, o AI Focus AF muda o modo AF de One-Shot AF para AI Servo AF, automaticamente.

FOCAGEM MANUAL OU MF
A focagem manual é utilizada em motivos difíceis de focar, em motivos de precisão, como por exemplo os retratos onde os olhos, em geral, devem ser bem focados.
O modo de focagem manual é excelente para ser utilizado nos seguintes motivos:

a) MOTIVOS COM BAIXO CONTRASTE
Exemplo: céu azul, paredes com cores fortes, ect.


b) MOTIVOS COM FRACAS CONDIÇÕES DE LUZ



c) MOTIVOS EXTREMAMENTE REFLECTORES E/OU EM CONTRALUZ
Exemplo: um automóvel com uma cor reflectora.


d) OBJECTOS PRÓXIMOS E DISTANTES QUE SE SOBREPÕEM
Exemplo: um animal no interior de uma jaula.


e) PADRÕES REPETIDOS
Exemplo: um teclado de computador, janelas de um arranha-céus, etc.






 
Podem encontrar-me também aqui:

13 comentários

  1. :) É um bom post para quem não está dentro do assunto ou está a pensar em comprar uma DSLR! Gosto muito da primeira foto :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Adorei o post! Vai ser bastante útil... E as fotografias estão muito boas.

    Beijinho ♡
    www.madeinthe-90s.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Este post já está guardado nos meus favoritos! Quando é que te mudas para Lisboa para me dares uma liçãozinha prática? :) *

    ResponderEliminar
  4. O post tem óptimas dicas!

    beijinhos ♥
    http://ichoose--tobehappy.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Tinha algumas noçõezinhas sobre o assunto mas como nunca utilizei nenhuma máquina desta natureza o post acabou por me relembrar algumas coisinhas. Muito obrigada! ^^
    Sorrisos,
    Alexandra :)

    The Sweetest Life

    ResponderEliminar
  6. ainda não domino a AF como deve de ser, aiii

    ResponderEliminar
  7. Já guardei este post, que boa ajuda :) Isto é quase um "Fotografia para Totós"! ahaha

    ResponderEliminar
  8. Gostei imenso deste post já na altura em que o publicaram! E as fotografias estão lindissimas!

    Resp: Quem agradece sou eu! Pelo excelente insta que dá sempre imenso gozo visitar e pela partilha do post no face! ^^

    ResponderEliminar
  9. Adoro este post, gosto da simplicidade e objetividade das explicações e das fotografias :)

    ResponderEliminar
  10. Descobri este blogue hoje e gostei bastante. ;) Eu que adoro fotografia vou guardar este post pelas dicas preciosas. :)

    ResponderEliminar
  11. Óptimas dicas!! Adorei. Eu bem que brinco na minha máquina, mas não percebo nada xD

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017