MOVIES | Boyhood

Não achei o Boyhood genial como a maioria das pessoas apregoa. Dou a mão à palmatória ao facto de ter sido filmado durante doze anos e acompanhado o desenvolvimento e crescimento dos seus actores - e consequentemente personagens - mas a nível de história não acrescenta nada de novo e acaba por ser mais do mesmo.

Vamos focar-nos primeiro nas partes boas: como já referi em cima o facto de terem filmado a película ao longo de doze anos com o mesmo elenco é inédito e no fim compensa. É fantástico conseguirmos ver as crianças crescerem e repararmos na forma como as suas personalidades começam a emergir. Os adultos também são extraordinários de ver. Mudam tanto de forma física como de forma psicológica e isso é algo que nunca tinha sido visto antes num ecrã de cinema - pelo menos não a este nível.

Fiquei impressionada com as actuações, especialmente da Patricia Arquette. Ela tem momentos de desespero profundo que parecem (e sentem) muito reais. O Ellar Coltrain é bom no seu papel principal.

No entanto isto não é o suficiente para mim. Parece que agora virou moda que filmes com personagens bons são considerados automaticamente bons, mas esquecem-se que é preciso mais do que personagens para fazer uma história funcionar.
Tive o mesmo problema com o The Wolf of Wall Street. Neste filme nós conseguimos conhecer bem os personagens, mas a história está ausente.


Boyhood retrata um período de doze anos (sinto-me repetitiva) e tem personagens vívidos, no entanto é difícil de entender sobre o que trata o filme. Qual é o conflito? Que situação deve ser resolvida?
Tendo em conta que este filme demorou mais de uma década para ser filmado, não é surpreendente que o realizador (Linklater) quisesse incluir muitas cenas, mas com quase três horas de duração este filme é longo demais (e eu já vi filmes de quase quatro horas maravilhosos).
Esta família não é particularmente interessante nem muito agradável e nada fora do comum lhes acontece.

E isto leva-me ao meu maior problema com o filme: não me tocou de forma nenhuma. O meu coração não se importava minimamente com as personagens e isso, meus senhores, é muito mau.
Levei o filme a perguntar a mim mesma o que é que era suposto eu gostar neste filme e, semanas depois de o ver, a pergunta mantém-se.

Por muito que quisesse gostar de Boyhood, não achei o filme um triunfo como toda a gente. Achei-o refrescante e bom em várias frente mas falta-lhe muitas coisas em última análise.

Classificação infinito mais um: 6/10
Classificação IMDB: 8,2/10

                       

7 comentários:

  1. Eu tentei ver o filme já há imenso tempo mas desisti ao minuto 20 e pouco porque estava a achar extremamente aborrecido, mas talvez fosse do meu humor nesse dia. Esta semana tenho mesmo de vê-lo para poder formar uma opinião concreta e informada. :)

    ResponderEliminar
  2. eu por acaso adorei o filme precisamente por ser despretensioso e querer apenas retratar a vida, na sua absoluta e aborrecida normalidade, sem a necessidade de uma storyline por trás! achei refrescante :)

    ResponderEliminar
  3. Diria que estou como a Danny! Nem sempre existem grand actions e momentos heróicos a celebrar, acho que o tema deste filme é isso mesmo: life itself and how it evolves, apenas isso. Aquela sensação de que we're just passing through life, waiting for the next milestone, um pouco dormentes a tudo e sem saber bem que rumo tomar, e a vida pode ser assim mesmo.
    Concordo contigo em relação ao desempenho da Patricia Arquette, mas dela já esperava isso, porque é uma actriz fenomenal.

    ResponderEliminar
  4. Este ainda não vi e também não me sinto com grande vontade de vê-lo.

    ResponderEliminar
  5. Eu por acaso gostei bastante deste filme. Foi sem dúvida um dos meus filmes favoritos do ano passado. E como já foi dito em comentários anteriores, a "banalidade" do filme é o que o torna tão interessante para mim. Eu sou apologista de que a simplicidade é o quanto basta, e penso que neste caso foi bem aplicado. É muito gira a ideia de retratar a realidade, e sim há casos bem "surreais" na vida real, mas também existe o oposto. Se é bom irmos num sentido, mostrando o que de mal existe na nossa sociedade, penso que também vale a pena investir no outro lado. Afinal de contas, todos nós temos experiências diferentes, uns mais "banais", outros nem por isso.

    ResponderEliminar
  6. n gostei nd do filme, aborrecido e além que adormeci pelas duas vezes que o tentei ver lool

    http://beautyshinewoman.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Eu não tinha grandes expectativas e adorei o filme! Ao contrário de ti vi o filme durante as 3 horas muito bem e nem queria que acabasse, fiquei a desejar que o realizador continuasse secretamente a filmar mais da vida deles. Achei os diálogos brilhantes e apeguei-me muito àquela família ;)

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017