ROTEIROS | Palácio da Pena, Sintra

29 outubro 2014

Quando ficou acordado que íamos a Sintra decidimos também que íamos pela fresquinha até porque a viagem de onde estávamos até lá ainda era um bocadinho longa.

Apanhamos o comboio - eu, a Sofia, a ML e o DD - no Oriente às 8h41 e chegamos a Sintra às 9h32 - depois de uma troca de comboio rápida no Cacém - a hora ideal para nos fazermos à estrada e começar a riscar da lista tudo aquilo que estávamos ali para ver.

Abençoado momento em que consegui convencer a ML que era de loucos subir a serra de Sintra a pé para conseguirmos chegar ao Palácio da Pena - a nossa primeira paragem - quando tínhamos um autocarro que nos metia lá em cerca de dez minutos e nos poupava os pés e as pernas para tudo o que íamos ter que andar mais à frente.
Apanhamos o autocarro 434 ali ao lado do Palácio Nacional de Sintra (aquele com aquelas chaminés monstruosas), e pagamos €3,00 (só de ida) para ele nos deixar logo ali à porta do Palácio da Pena. Aqui têm também a opção de comprar o bilhete de €5,00 que serve para ida e volta, mas como vimos que do Castelo dos Mouros à Regaleira era um pulinho, decidimos comprar só o de ida.

O Palácio da Pena fica no ponto mais alto de Sintra e consequentemente é a paragem final do autocarro. E como tal decidimos que essa seria a nossa primeira paragem e depois descíamos até à entrada do Castelo dos Mouros (que é perto, perto, perto a pé) porque para baixo todos os santos ajudam.

Se forem a Sintra on a budget como eu fui, é importante estarem atentos às coisas onde podem poupar, como os bilhetes. À entrada do Palácio da Pena - e do Castelo dos Mouros - é possível comprarem um bilhete combinado por €18,00 para os dois monumentos (existem mais opções de bilhetes combinados mas aquela modalidade era a que nos interessava) em vez de darem uma quantidade absurda de dinheiro por cada um (só o bilhete do Palácio da Pena custava €14,00)!
Outra dica é irem em época baixa. Eu, apesar de ter ido no início de Outubro ainda apanhei a época alta em Sintra por isso os bilhetes ficaram ligeiramente mais caros.
O bilhete combinado inclui os jardins do Palácio da Pena que valem a visita porque são lindos e que acabamos por não os ver na totalidade porque são enormes (qualquer coisa à volta de oitenta e cinco (!) hectares). Aconselho-vos a trazerem um mapa - que estão disponíveis gratuitamente onde compram os bilhetes - convosco, porque acreditem, vai dar imenso jeito!


Ao chegarmos ao pé do Palácio da Pena é impossível ficar indiferente. Eu soltei risinhos de excitação que fizeram os meus companheiros de aventura olharem para mim com cara de olha a rapariga, tão parvinha, coitadinha!, mas adiante.
É, de certeza, um dos palácios mais bonitos que eu já tive o prazer de visitar. Muito colorido, cheio de adornos, rococós e efeitos espalhafatosos. É absolutamente maravilhoso ficarmos ali, quietos e suspensos no tempo, em frente ao ao Palácio e ficar a admirar cada detalhe. Mas, como tínhamos um longo dia pela frente, não ficamos muito tempo nesse estado de suspensão e partimos logo à exploração dos cantos e recantos do Palácio. Infelizmente apanhamos o Palácio em obras de requalificação e não conseguimos aceder a alguns espaços - mas esse pequeno grande pormenor não retira, em nada, a beleza do edifício! E no geral conseguimos aceder a quase todos (contavam-se pelos dedos de uma mão aqueles onde não podíamos entrar).


O Palácio fica a 500m de altitude e começou a ser construído em 1838, pelo rei-consorte D. Fernando II de Saxe-Coburgo-Gota (e mais uns trinta nomes) que adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena e iniciou a construção do palácio nesse mesmo local.

Em 1847, o Palácio estaria quase completo segundo o projecto do arquitecto alemão - o Barão von Eschwege - a quem foi encomendado o trabalho. Nesse ano foram feitos os detalhes decorativos e simbólicos que o rei-consorte queria ver nesta sua nova residência. Muitos desses detalhes, nos planos construtivo e decorativo, ficaram a dever-se ao temperamento romântico do próprio monarca que, a par de arcos ogivais, torres de influência medieval e elementos de inspiração árabe, desenhou e fez reproduzir, na fachada Norte do Palácio, uma imitação do Capítulo do Convento de Cristo em Tomar.


Uma das primeiras coisas com que nos cruzamos é um pórtico alegórico da criação do Mundo com a figura mitológica de um Tritão, meio homem, meio peixe. Passando pelo "túnel do Tritão" vamos dar a um terraço chamado Pátio dos Arcos de onde podemos ver, ao longe, o Castelo dos Mouros e a tal janela copiada do Convento de Cristo.


Desse Pátio dos Arcos temos acesso à Capela de Nossa Senhora da Pena que é uma das únicas partes originais do antigo Mosteiro que podemos ver no Palácio.


Depois de entrarmos no Palácio propriamente dito, a primeira coisa com que damos de caras - para além da escadaria óbvia - é o claustro. Neste espaço conseguimos também encontrar alguns elementos pertencentes ao antigo Mosteiro. Este claustro tem dois andares e as paredes e o chão são revestidos por azulejos mudéjares (podem ver AQUI o que são).


A partir deste claustro podem explorar o Palácio à vossa vontade. Existe um percurso pelos quartos meio que pré-definido mas vocês podem andar como quiserem. Dentro do Palácio podem tirar fotografias à vontade, o que é bom por um lado e exige uma certa paciência por outro, já que em todas as salas visitadas toda a gente tenta tirar fotografias a cada detalhe (eu, turista, me confesso!)

Começamos por espreitar a sala de jantar, depois seguimos para os aposentos de D. Carlos I no qual me enamorei por uma máquina fotográfica que por lá estava. Sendo este rei um artista, nos seus aposentos também vemos imensos quadros e materiais de desenho. Uma das paredes é revestida totalmente a tela onde nela se consegue observar a serra de Sintra e o Palácio da Pena. Na casa-de-banho dos aposentos vemos louça pintada e trabalhada e uma chaise longue, mesmo ao lado da banheira de pés (sonho de consumo) porque isto era uma canseira tomar banho e a sua Majestade devia-se sentir tão exausto depois de se banhar que precisava de descansar.


Seguimos depois para a Sala Árabe com mobília super invulgar - não foi a que mais gostei - e tectos e detalhes nas paredes de babar. Mas antes passamos pela Sala de Saxe, cheiinha de porcelanas de Saxe.


Depois, vi-a. A minha sala favorita e a sala mais bonita de sempre. O Salão Nobre.
Do candelabro dourado e trabalhado às paredes cor-de-rosa com detalhes de rosas passando pelos vitrais com motivos maçons. O Salão Nobre inundava-se de luz e, se eu pudesse, tinha-me sentado num dos sofás e ficava-me por lá um par de horas com a mania que sou fina.


Uma coisa que não podemos deixar de fazer no Palácio da Pena é olhar para cima. Os tectos são todos maravilhosos. E também devemos tirar o nosso tempo para ver todas as salas com calma que os detalhes são deliciosos. Se estão com medo de empatar o trânsito, façam como eu, esperem que os mais apressados passem e vão em último. Assim não atrapalham ninguém e podem sempre ir à vossa vontade e tirarem as fotografias que quiserem!
No dia que fomos - e às horas que fomos - não havia muita gente no interior. O exterior é extenso e perde-se muito tempo a explorar cada cantinho, por isso quanto mais cedo chegarem, com mais calma podem ver as coisas. Mas, quando saímos para explorar os jardins, a enchente de pessoas que estavam nos exteriores começaram a migrar para o interior - safamos-nos de boa!


Ao irmos embora demos de caras com o Monte do Gigante, onde é possível observar a Estátua do Guerreiro, uma possível representação do Rei D. Fernando como guardião da sua obra.

Mas depois foi hora de dizer adeus ao Palácio e de partir à exploração dos jardins do mesmo!


Se pensam que chegarmos ao sítio dos jardins que queríamos ver foi fácil, é ai que se enganam. Como referi no início da publicação os jardins têm hectares atrás de hectares de área e como, apesar de estarmos desafogados de tempo, tínhamos muito mais para ver decidimos que tínhamos de escolher que parte dos jardins visitar e acabamos por querer ver o Vale dos Lagos. O Vale dos Lagos, como o nome indica é um conjunto de cinco lagos enormes pitorescos e aprazíveis e com construções de muralhas e patinhos no seu meio.


Para lá chegarmos demoramos imenso tempo. Enganamos-nos no caminho uma mão cheia de vezes e tivemos de verificar o mapa outras tantas. O DD ficou encarregue desta tarefa hercúlea porque nenhuma de nós as três meninas conseguíamos fazer sentido do que estávamos a ver no papel. Eu então sou um caso completamente perdido!


Meia hora depois, após termos passado por aranhas gigantes e lesmas mutantes e de vermos paisagens, charcos e estruturas maravilhosas, começamos a avistar pessoas e chegamos à conclusão que mais metro, menos metro chegaríamos ao nosso destino!


E depois, aí sim. Chegados ao Vale dos Lagos, conseguímos descansar um bocadinho e aproveitar a pacatez do espaço.


Dissemos adeus ao Palácio da Pena e acenamos um olá à nossa próxima aventura: Castelo dos Mouros!
(Sim, eu aceno aos monumentos. Sim eles gozaram todos comigo por causa disso).






 
Podem encontrar-me também aqui:

16 comentários

  1. bonitas fotos, fazem justiça ao lugar em si :) sempre tudo tão verdinho e belo, ai. saudades. é pena estarem sempre turistas, arruinam-me o silêncio, o mood, a paisagem... mas enfim, eu sou um bicho do mato, vai entender.

    ResponderEliminar
  2. Sintra é uma cidade que quero muito conhecer! Mas, se levar o meu namorado, tenho de me precaver com o facto de ele não gostar muito de andar e, quando foi no Porto, chegou ao final do terceiro dia a morrer xD Coitadinho. Mas olha, que se lixe, porque se ele não vier comigo, eu vou sozinha!! Para o ano vou tentar guardar um fim de semana para ir a Lisboa passear e, com certeza que vou a Sintra!

    ResponderEliminar
  3. Que passeio tão bonito! Tens aqui fotos maravilhosas! O Palácio da Pena e mesmo maravilhoso :)
    Muito obrigada por partilhares a viagem connosco

    ResponderEliminar
  4. Sintra é mesmo encantadora! Não conhecia esses jardins por isso quando pensava "porque é que ela não dividiu o post em mais?" comecei a deliciar-me. Obrigada! ^^
    Sorrisos,
    Alexandra :)

    http://thesweetest-life.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Amo estes posts. Obrigada por partilhres a tua visita. Tambem adoro o palacio da pena estou desejosa de ir a Portugal para puder ir de novo. So la estive ha anos era miuda. Um sitio encantador e as tuas fotos ficarao lindas.
    claudiapersi.blogspot.ca

    ResponderEliminar
  6. Tão bonito. As fotografias transportam-nos para todos os sítios que ilustram! Adorei.
    http://douradorosa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Para mim o Palácio da Pena é o monumento português (que conheço obviamente!) mais bonito :) adoro! Não me canso de o ver :) *

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. O Parque da Pena é lindo, lindo. Cheguei a pensar que me tinha perdido pois fartei-me de andar completamente distraída e encantada pelo espaço envolvente.
    Já o interior do palácio acho que deixa um pouco a desejar, está overrated. Se visitares o Palácio de Vila Viçosa vais perceber porquê. ;)

    ResponderEliminar
  10. A penúltima fotografia está algo de fabuloso! Tenho de voltar a Sintra, adoro aquilo!

    ResponderEliminar
  11. O Palácio da Pena é realmente perfeito ;) o mais lindo de todos. Desconhcia os jardins e adorei as fotos ;)

    http://inspirationswithm.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Que fotos lindas!!! Adorei o post também, ano passado fui la mas estava um nevoeiro terrível! Voce capturou toda a beleza do lugar :)

    ResponderEliminar
  13. tu deves ser tão fofa nestas viagens xD Acho que nos iamos dar bem porque eu também fico meia histérica nestas coisas e ando aos saltinhos hehehe! Gostei imenso dos detalhes dos preços e dos autocarros, vai-me ajudar a preparar a minha (espero que breve) visita a Sintra.
    As fotografias tão super bonitas, como sempre claro!

    ResponderEliminar
  14. Conseguiste captar bem a magia do lugar :) Adoro o Palácio da Pena, sem dúvida dos lugares mais fofinhos de Portugal :) beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Ainda há dias pensava nisto: eu adoro Sintra, vou lá passear e fazer caminhadas (falaste da Estátua do Guerreiro, eu já subi os rochedos em que ela está assente, quase lhe toquei!), e ainda nunca vi o interior do Palácio da Pena, nem sei como é possível! O teu roteiro deixou-me cheia de vontade de o fazer :)

    ResponderEliminar
  16. Adorei as fotografias ! O local é lindíssimo ;) Curioso, eu há dias, publiquei também um post, sobre o Palácio da Pena.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017