BOOK REVIEW | The Great Gatsby

06 dezembro 2013


ISBN: 9789722313698
TÍTULO: The Great Gatsby
AUTOR: F. Scott Fitzgerald
EDITORA: book.it
ANO: 2013
PÁGINAS: 158
LIVRO ÚNICO OU SÉRIE/TRILOGIA: Livro único
FORMATO DO LIVRO: Livro físico
Antes sequer de imaginar que ia ser lançado um filme ainda este ano adaptado da obra do F. Scott Fitzgerald já eu queria ler o livro. Um dia, há uns meses atrás, encontrei o meu exemplar a um preço fabuloso (e amigo da carteira) na book.it e não mais o larguei.

O primeiro capítulo foi lido de uma assentada e rapidamente absorvi os pontos básicos da história. É muito envolvente, tanto que chegamos ao ponto de parecer que estamos dentro do Mundo que eram os anos vinte. Senti que Fitzgerald estivesse a escrever um livro destinado a nós - pessoas de um futuro inimaginável - como se quisesse mostrar a sua era, as suas reclamações e a sua crítica. 

No tempo de Jay Gatsby, o jazz é a música do momento, a riqueza parece estar em toda a parte, o gin é a bebida nacional (apesar da lei seca) e o sexo torna-se uma obsessão americana.
Corria o ano de 1922 e Gatsby, milionário e ex-oficial da marinha, conhecido por organizar festas apoteóticas e agitadas na sua mansão em Long Island, faz uma relevação ao seu vizinho Nick Carraway, um jovem de classe média, que não ostenta riquezas e mora na única casa humilde de West Egg. O segredo que Gatsby lhe confia? Ele está apaixonado por Daisy Buchanan, prima em segundo grau do Nick e que está casada com Tom Buchanan um homem arrogante e possessivo.

Nick é o único personagem que escutamos e, através dos seus olhos conhecemos os outros. Todos - ou quase - os personagens guardam segredos que vêm à tona no decorrer da história.

Não simpatizei com o Tom logo de início, e à medida que a narrativa ia avançando mais o detestava. Havia qualquer coisa na maneira como ele era descrito que me dava alguma repulsa - talvez os seus comentários maldosos.
A Daisy foi, para mim, desde de início, uma caricatura. É a representante de toda uma geração de mulheres não só vítimas de uma sociedade machista mas também peças importantes no seu tempo. Ela não era má nem era boa. Com a Daisy as aparências enganam e não nos devemos iludir e achar que vamos conseguir entender - totalmente - a personagem. A Daisy é uma incógnita.

O amor de Jay Gatsby por Daisy durou anos, resistiu a tempestades e moldou a vida do misterioso rapaz.
O The Great Gatsby não trata apenas de festas e riquezas, mas sim do que o ser humano é capaz de fazer para reconquistar um amor perdido. Faz também o retrato de uma sociedade em mudança onde é visível a prosperidade mas também o aumento do materialismo e da degradação dos valores morais.

O livro divide opiniões, mas eu gostei. E pobre Gatsby. Não teve o fim que mereceu.
(Não, não vou ser spoiler para quem ainda não leu/viu o filme)

Classificação infinito mais um: 4/5






 
Podem encontrar-me também aqui:

5 comentários

  1. Acrescento a esta review o facto do final ser a coisa mais "accurate" que alguma vez li. Definitivamente Gatsby não teve o final que merecia e aliás é uma prova que todos os seres humanos, de uma forma ou de outra, tem um fim solitário.
    Concordo com tudo o que escreves-te e tanto o livro como o filme tornaram-se no meu livro e filme preferido (ou um dos meus preferidos,vá). Se ainda não viste o filme, recomendo vivamente. Não vais ficar desiludida.

    ResponderEliminar
  2. Estou sempre a adiar a leitura deste livro, mas agora fiquei com apetite :3 e a escolha da capa está mesmo bem, fiquei admirada! Qual o preço? :)

    ResponderEliminar
  3. A pintura da capa é da artista Tamara de Lempicka, que viveu na altura da história, e teve uma vida também atribulada; esse preço é mais que convidativo, obrigada :)

    ResponderEliminar
  4. Eu quero muito ver o filme e também ler o livro. Ouvi falar tão bem de ambos :)

    ResponderEliminar
  5. Tenho muita vontade de ler :) Falta-me o tempo!

    http://coucoucaroline.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017