PERSONAL | All Women Are Real Women

15 maio 2013

Esta imagem resume, na perfeição, aquilo em que eu acredito.

Tenho reparado nos últimos tempos que as críticas em relação ao corpo e aparência de x ou de y têm sido mais pesadas e mais danosas.

O ideal de beleza - imposto sabe-se lá por quem - de uma mulher continua a ser aquilo que estamos habituadas a ver em modelos da Victoria's Secrets: metro e oitenta, pernas sem fim, magras q.b. e com as medidas 90-60-90. E esse padrão não facilita até porque nem toda a gente nasce com genes abençoados, nem toda a gente consegue ter metro e oitenta, nem toda a gente tem peito grande ou pele perfeita ou qualquer outra coisa que possa ser usada contra si. Deus nos livre que não nos parecermos nada como uma Alessandra Ambrósio ou uma Miranda Kerr. É uma generalização ridícula.

Eu sou magra (e acreditem que não é por falta de comer) e pequena. E ouvir coisas como "Qualquer dia desapareces", "Estás tão magrinha", "Acho que se engordasses uns quilinhos não te fazia mal nenhum" constantemente magoa tanto como ouvir um "Estás gorda", "Devias ter mais cuidado com o que comes", etc.

Muitos dos casos de gordura ou magreza são condicionados por nada mais nada menos do que a nossa herança genética. Há imensa gente que por mais que tente não engorda (eu, por exemplo) e também outras tantas que por mais que façam e tenham cuidado com o que comem não conseguem emagrecer. E não é por ouvirmos os "conselhos" e "palavras amigas" de um sem número de pessoas que alguma coisa vai mudar.

Toda a gente - homens e mulheres - têm inseguranças com o seu corpo. Eu tenho algumas. E ouvir os tais "conselhos" na maioria dos casos só serve para aumentar a nossa insegurança e para começarmos a querer mudar a torto e a direito aquilo que herdamos e com que nascemos. Começamos a reparar com mais atenção no alto que temos no nosso nariz que o torna menos bonito, ou no nosso peito que podia ser maior e ter um decote mais bonito e não tem. Ou as pálpebras que descaem, os lábios que não são volumosos ou isto ou aquilo.

Por mim chega. Passei muito tempo da minha adolescência a detestar esta ou aquela pequena coisa em mim e só recentemente é que me consegui aceitar como sou. Por isso não me venham cá com tretas de ter de ter um certo aspecto ou isto ou aquilo porque por mim chega. Sinto-me bem na minha pele e é só isso que importa. Sou mulher, nos meus gigantes metro e meio e não sou, de forma nenhuma, menos ou mais que ninguém. Somos iguais, sobretudo nas nossas inseguranças.

O corpo ideal é aquele em que nos sentimos bem e somos saudáveis (nada em excesso nem em falta!). É aquele que mesmo com o alto no nariz, os dentes tortos ou as pálpebras descaídas nos faz sentir bem e nós mesmas. Porque tudo tem a sua beleza e nada consegue ser mais bonita do que tu.

No geral, aquilo que estou a tentar dizer é que não se deve louvar os extremos da moeda como as curvas irrealistas da Kim Kardashian e a magreza extrema da Ana Macan (que morreu de anorexia). O meio termo é bom tanto para as magras como para as gordas. Sem exageros e sem falta de nada. Saudável.


"Não há beleza perfeita que não contenha algo de estranho nas suas proporções."

– Francis Bacon

Até jazz,

12 comentários

  1. confesso que este texto me tocou...encaixo-me nisto que nem uma luva...tenho 1,65cm, mas sou magra...há coisas no meu corpo que adoro (pernas e rabiosque), há outras que detesto (peito)... sentia-me mal quando era mais nova e as minhas amigas já tinham boas mamas e eu sem nada, e ainda agora às vezes olho para elas com desprezo :( não gosto delas e pronto! São direitinhas e tudo, mas lá está, são pequenas! É a única coisa que não gosto em mim! de resto sinto-me bem comigo :)

    ResponderEliminar
  2. Perguntam a familiares : " Mas ela está doente? Tá tão magra!!"
    Esta é sempre a melhor pergunta, quando tu por dentro te sentes totalmente saudável e cheia de vida.
    :@

    ResponderEliminar
  3. Perguntam a familiares : " Mas ela está doente? Tá tão magra!!"
    Esta é sempre a melhor pergunta, quando tu por dentro te sentes totalmente saudável e cheia de vida.
    :@

    ResponderEliminar
  4. Abençoada! Haja saúde e um corpinho bonito quando somos nós a olhar para o espelho. O resto do mundo can suck it se não gostarem do nosso corpo. Honestamente acho que a confiança que temos em nós é que nos faz bonitas, não a proporção mamas-rabo. :P

    ResponderEliminar
  5. agora é que falaste bem. É tal e qual isto!

    ResponderEliminar
  6. Óptimo texto! É verdade que todas nós temos as nossas lamurias e os nossos dilemas com uma qualquer parte do corpo mas acho que chega uma certa altura que nos deixamos de preocupar em demasia com isso e ficamos felizes com o que temos. Claro, que temos que cuidar de nós e ver o nosso corpo como um 'corpo' que nos foi dado para estimar e para cuidar :)
    Beijinho,
    Rute

    ResponderEliminar
  7. O texto é cumpridinho mas concordo a 100% contigo. Não gosto que nós, gordinhas, sejamos criticadas mas criticar alguém quando é magro também deve doer bastante. As pessoas deviam pura e simplesmente começar a aceitar a fisionomia uns dos outros mas acho que isso vai durar para sempre seja entre pretosxbrancos, homensxmulheres, gordosxmagros, as pessoas sentem necessidade de criticar vá-se lá saber porquê. ._.
    Sorrisos,
    Alexandra :)

    Participem no concurso do blogue! ;)
    http://diariodumanovata.blogspot.pt/2013/05/bem-vindos-ao-meu-diario-concurso.html

    ResponderEliminar
  8. Concordo a 100% ! Revi-me imenso neste post e sei bem o que é tentar engordar e não conseguir. E sempre me disseram e por muito que não acreditem, é muito mais dificil engordar, do que emagrecer e eu sei bem do que falo! Mas o importante não é o que dizem, é sentirmo-nos bem connosco próprias, apesar de ser chato, estar sempre a ouvir a mesma coisa!

    Participa:
    http://sailingpepa.blogspot.pt/2013/05/passatempo-feltros-co.html

    ResponderEliminar
  9. sei como te sentes! eu sempre fui muito magra e até me chegavam a perguntar se eu ia à casa de banho vomitar depois de comer (???). simplesmente não conseguiam perceber que eu não conseguia engordar, que não está nos meus genes, que não tenho ninguém gordo na família...

    eu acredito que cada pessoa é bonita à sua maneira e ninguém tem de ser igual a ninguém! seria tão aborrecido (e assustador) se assim fosse...

    eighteen and a life

    ResponderEliminar
  10. Subscrevo por inteiro! Não mudaria uma vírgula ao que escreveste.

    ResponderEliminar
  11. Ora aí está uma grande verdade e também sinto que por vezes são mais os de fora que nos pressionam com esse tipo de comentários... Até ao secundário fartei-me de ser gozada e criei muitas inseguranças que ainda hoje, inevitavelmente, estão cá, porque uma pessoa (mesmo que chegue a mudar) interioriza as coisas de tal forma que depois só se vê assim =X Sempre tive facilidade para ganhar peso e sempre me debati porque queria ser mais magra, mas tenho plena consciência que ser-se mais magra do que se gostaria de ser, dói o mesmo que ter uns quilinhos a mais =( De qualquer forma, tu és linda ^^
    Beijocas grandes****

    ResponderEliminar
  12. Adorei este texto! Tens toda a razão! Eu, na época de testes, emagreço imenso, e não é porque não tente evitar isso... Simplesmente acontece! E pronto, lá me dizem que tenho de comer e engordar e blá, blá, blá!
    Mas o que mais me choca é o facto de não podermos dizer a X ou a Y que são gordinhas, porque é feio, mas já nos podem dizer que somos magras e fazer piadas quanto a isso! Irrita-me profundamente! Mais vale dizer 'és linda', porque todas o somos. E pronto!
    Beijinho*

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017