PERSONAL | To Die Would Be An Awfully Big Adventure

05 março 2013

Tenho medo de morrer.

Não do acto de morrer em si que, como "cientista" que sou tenho a noção que ninguém é eterno, que existe um fim da linha e que o nosso tempo neste Mundo é limitado. O que me faz ter medo de morrer é o receio de o fazer antes de conseguir fazer tudo o que quero fazer, antes de sentir que a minha vida está completa e tem sentido e até mesmo antes de descobrir qual é o meu propósito.

Tenho medo de morrer e de deixar todos aqueles que gosto para trás. Será que vão sentir a minha falta? Será que vou fazer falta sequer? Será que vou deixar algum legado? Será que a história se vai lembrar de mim? Será que vou marcar a história?

"Não sou nada especial; disso estou certa. Sou uma mulher comum, com pensamentos comuns e vivi uma vida comum. Não há monumentos dedicados a mim e o meu nome, em breve, será esquecido, mas amei outra pessoa com toda a minha alma e coração e, para mim, isso sempre bastou." -- Nicholas Sparks ligeiramente modificada, Diário da Nossa Paixão

São estes pensamentos que me assombram às vezes. O facto de eu ter genuinamente medo de morrer. Será que vai doer? Espero que não. Mas, olhando em retrospectiva, se calhar não tenho medo de morrer. Se calhar tenho pena. De tudo aquilo que vou deixar de ver: as flores, o sol, os sorrisos. De tudo aquilo que vou deixar de cheirar: livros novos, torradas quentinhas e bolos acabadinhos de sair do forno. De tudo o que vou deixar de tocar. De tudo o que vou deixar de sentir: sorrir até doer, a minha pele a aquecer ao sol. De perder a beleza do Mundo. É isso. Tenho pena.

Estou a contar morrer já velhinha, não se preocupem que este post não quer dizer nada. É apenas uma reflexão, uma coisa que de vez em quando me vem à cabeça e eu perco-me a olhar para o infinito a contemplar todas as hipóteses. Às vezes escrever ajuda a ver as coisas de forma mais objectiva e de não ter medo. Ou pena.

"A vida - entendeu - era bem parecida com uma música. No começo há mistério, e no final, confirmação, mas é no meio que reside a emoção e faz com que a coisa toda valha a pena." -- Nicholas Sparks, Melodia do Adeus.

Até jazz,

9 comentários

  1. Também penso tudo o que escreveste.
    E do medo de morrer, também penso sempre..Para onde vou? O que me vai acontecer? Os que gosto vão ficar onde? Não vou ver mais nada, senão escuro!? enfim...Tudo uma confusão qd penso nesse assunto.

    É melhor não pensar nisto e aproveitar todos os segundos e minutinhos.

    Muahs

    ResponderEliminar
  2. De vez em quando também dou por mim a pensar nisso e não só.. Mas espero que vivas muitos muitos muitos anos e que estejas sempre ao lado dos que mais gostas, do teu M e que sejam muito felizes até serem muito muito velhinhos ^^
    Beijiinhos, Catarina

    catascustodio.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente faleceu, há pouco tempo, um familiar meu. Desde então que penso muito nisso, na morte. E, tal como escreveste tenho medo de morrer. Porque a morte é um mundo completamente desconhecido para nós, que vivemos. E mais do que ter medo de morrer porque não sei (não faço a mínima ideia!) de como será, tenho medo pelos que cá ficam. Agora que tive a infelicidade de viver uma falecimento de perto, tenho medo de deixar todas as pessoas que me amam! Porque, de facto, é uma dor e um vazio muito grande. E sabes uma coisa? Às vezes até tenho medo de ser feliz, porque tudo muda, num efémero segundo!

    ResponderEliminar
  4. Amei o texto e os teus pensamentos mas nunca pensei nisso dessa forma, acho que é porque não tenho medo da mesma coisa. Não tenho medo da morte nem do que vou deixar para trás mas tenho medo de ser eu a matar-me, tenho medo de magoar as pessoas que amo de propósito, tenho medo disso...
    Sorrisos,
    Alexandra :)

    Passa nos meus cantinhos.
    http://diariodumanovata.blogspot.pt/
    http://pieces4knowledge.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Same here. Mas tenho pena, medo, misturada com muita curiosidade...e a seguir? Costumo ser muito empírica e objectiva mas com isto não consigo mesmo! Nós somos mais do que um corpo...quando o corpo morre, o que acontece a seguir? De qualquer forma espero só descobrir daqui a muuuitos, muitos anos! :) Até lá...é aproveitar tudo o que se pode!

    ResponderEliminar
  6. Olá, adoreei o seu blog, parabéns. E adorei o texto tambem!
    Se quizer dar uma passada lá no meu cantinho http://blogdaargay.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Tb tenho, muito... e prefiro nem falar, nem pensar nisso.

    ResponderEliminar
  8. também tenho medo da morte, medo não, tenho pânico :P
    quero viver até aos 300 :P
    *********
    HF
    http://the-hf-blog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Partilho deste teu receio, de não conseguir fazer uma série de coisas antes de ir embora de vez *

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2017