It Ends With Us

imagem via

ISBN: 9781501110368
TÍTULO: It Ends With Us
AUTOR: Colleen Hoover
EDITORA: Atria Books
EDIÇÃO/REIMPRESSÃO: 2016
PÁGINAS: 384
LIVRO ÚNICO OU SÉRIE/TRILOGIA: Standalone
FORMATO DO LIVRO: Kindle
“All humans make mistakes. What determines a person's character aren't the mistakes we make. It's how we take those mistakes and turn them into lessons rather than excuses.” 
― Colleen Hoover, It Ends with Us

Dores de Crescimento

Os especialistas dizer que as dores de crescimento ocorrem em crianças em idade pediátrica (normalmente até aos treze anos) mas a isso só tenho a dizer uma coisa: tretas.

As verdadeiras dores de crescimento ocorrem depois, quando o Mundo começa a tornar-se um sítio confuso e em que as nossas decisões deixam de se basear com qual das Barbies vamos brincar hoje e passam a envolver carreiras. Crescer não é fácil e ser adulto é um bocadinho chato. Óbvio que todas as fases da nossa vida têm coisas boas e coisas más...mas dores de crescimento a sério não têm só a ver com dores ósseas ou musculares e a nossa preocupação em saber se vamos crescer mais um bocadinho ou se estamos a sofrer por nada.

Cara Lavada

Chega a esta altura do ano e torna-se quase inevitável o eu começar a pensar em mudar o design e a estética do blog. Não sei que raio de interruptor se liga - ou desliga - em mim mas basta o calendário ameaçar aproximar-se de Setembro que fico sedenta de mudanças por aqui.

O Dia em que Aprendi a Andar de Bicicleta

Se alguém me dissesse que, aos vinte e três anos, ia aprender a andar de bicicleta eu ia-me rir muito. Porquê? Porque pensaria que nesta altura do campeonato já não haveria nada a fazer e que se não aprendi com dez anos não ia ser agora que ia acontecer. Enganei-me.

A verdade é que eu, Ana Garcês, aprendi a andar de bicicleta graças ao Mário, que tinha feito a promessa de me ensinar mal soube da minha condição de não me conseguir aguentar em veículos a pedal com duas rodas. E é essa a história que vos venho contar hoje.

Half Past CLUSE + Giveaway!

Continuo a ser aquela pessoa que usa relógio no pulso direito, que tem os pulsos ridiculamente finos e que é esquisita com o que usa.
Depois de ter vindo morar cá para casa, há mais de um ano, um relógio que ganhou lugar cativo no meu pulso achei que estava na altura de lhe arranjar uma companhia. E assim foi.

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2011-2016